A criatividade, na esfera do empreendedorismo, traz um elemento muito em alta no momento que é a desejada inovação. E, ao entrar no campo da inovação, passamos a caminhar num lugar onde existe muita especulação e pressão por resultados.

O tema da criatividade, seja ele em diferentes áreas, tem se tornado cada vez mais foco de interesse entre pequenas, médias, e grandes empresas. Isso se deve ao fato do potencial existente na venda de novos produtos ou serviços, já que cada vez mais estão surgindo novas demandas no mundo atual, onde o período pós-pandemia revela pessoas com gostos e valores provados e repensados.

Os autores do livro The Runaway Species: How Human Creativity Remakes the World, David Eagleman e Anthony Brandt, ao tratar do tema da criatividade explicam que é algo inerente ao ser humano, que “a criatividade é um desejo, uma necessidade, uma questão de ser, da existência, doar-se, ser verdadeiro”. Observe que esta descrição dos autores só repete o que já encontramos na Bíblia. Encontramos que “O temor do SENHOR é o princípio da sabedoria, e a ciência do Santo, a prudência.” (Provérbios 9.10).

Assim, o relacionamento com Deus, claramente faz toda a diferença para que um indivíduo tenha sucesso intelectual.

Desta forma, o combustível necessário para que ocorra inovação é, sem dúvida, a criatividade. Mas, voltando aos autores anteriormente citados, vemos três diferentes tipos de inovação: incremental, radical e disruptiva.

A inovação incremental é aquela que se propõe a somar melhorias e atualizações a algo, ou seja, a um processo, um produto, um serviço, ou ainda um método. Tal inovação, segundo expresso por Harvard, é um tipo que sustém as instituições competitivas em um curto prazo.

A inovação radical seria entendida como a mais complexa, pois se propõe a explorar algo considerado inédito, não pensado, ou pelo menos não saturado. Ocorre quando algo que ainda não foi abordado é iniciado. Ainda segundo Harvard, isso manteria as instituições detentoras da inovação radical mais competitivas a longo prazo. O que na maioria das vezes é o desejável.

A inovação disruptiva refere-se àquela que promove um tipo de transformação, ou até mesmo a substituição de algo por outro considerado superior, fruto de uma solução nova. Tal tipo de inovação é vista como poderoso, por gerar alteração no comportamento do consumidor.

Sendo assim, para que você possa criar um empreendimento, pense em que tipo de inovação a sua proposta se enquadra, para saber como geralmente o mercado reage. Procure ler mais sobre isso para que a sua criatividade seja bem direcionada e seu empreendimento tenha condições de ser duradouro.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

17 − quinze =